ENQUANTO BRASIL DISCUTE VACINA OBRIGATÓRIA, CHINA ESPERA A DA OXFORD!


   
Nesta guerra insana e hipócrita das vacinas, onde a saúde pública parece ser o que menos importa, há muitas questões obscuras, além de interesses milionários em jogo.

   A primeira delas é: por que as vacinas chinesas, que estão sendo desenvolvidas no país, não são testadas em sua gigantesca população?

  Por que no país, onde o vírus surgiu e que estranhamente foi um dos únicos a não registrar a segunda onda, não se discute a possibilidade de ser obrigatória, como acontece hoje no Brasil?

  Porque a China, a exemplo de muitos países, aguarda a finalização e a aprovação da vacina de Oxford, visto que não tem tradição em fabricação de vacinas. Está surpreso?

  Então, vamos refrescar um pouco a memória:

  A China foi a primeira nação a assinar acordo de exclusividade com a AstraZeneca, que fabrica a vacina em parceria com os pesquisadores da Universidade de Oxford.

  A AstraZeneca é hoje um dos maiores grupos farmacêuticos do mundo, criado em 1999 da fusão da sueca Astra AB com o Zeneca Group, do Reino Unido. Tem sede em Cambridge, na Inglaterra e seus produtos são vendidos para mais de 100 países.

  Assim, a Shenzhen Kangtai Biological Products, uma das maiores farmacêuticas chinesas, garantiu no acordo, firmado no início de agosto, que terá capacidade para produzir cerca de 100 milhões de doses da vacina da Oxford até o final de 2020.

  A AstraZeneca também assinou acordos com os Estados Unidos, Reino Unido, Coreia do Sul e Brasil, que incluem a produção de 2 bilhões de doses de vacina.

  Ela está sendo testada no Brasil, em estudo liderado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

  Na semana passada, um médico brasileiro, de 28 anos, voluntário do ensaio, morreu vítima de coronavírus. O estudo já havia sido suspenso em outras ocasiões por problemas em voluntários, uma situação considerada normal em ensaios clínicos.CHI

  Curiosamente, em junho (dois meses antes do acordo chinês com a vacina de Oxford), o governador de São Paulo, João Dória, firmou parceria com outro laboratório chinês, o Sinovac, para iniciar os testes no Brasil da Coronavac, em parceria com o Instituto Butantan.

  Os estudos com voluntários começaram em julho. E, mesmo sem a aprovação científica da Coronavac, ele anunciou a construção de uma nova fábrica, que vai custar R$ 160 milhões, bancados pela "iniciativa privada".

  Não sabemos quem são essas "almas generosas" que investem em uma fábrica de vacinas sem qualquer garantia de que ela será eficaz e aprovada. Ou será que sabemos?

  Na contramão da ciência, que pede cautela e tempo maior para estudos, Dória disse que a vacina seria obrigatória em todo o estado de São Paulo, a partir de dezembro de 2020. E quer incluí-la no calendário nacional do SUS.

  O anúncio provocou polêmica, embates políticos e indignação em muitos brasileiros. O presidente Jair Bolsonaro garantiu que nenhuma vacina seria obrigatória, como manda a Constituição. "Os brasileiros não são cobaias", disse Bolsonaro.

  Daí para a judicialização foi um passo: a oposição, aproveitando a brecha, entrou com pedidos no Supremo Tribunal Federal para tornar a vacina obrigatória. O caso será julgado na próxima semana.

 Esse julgamento não faz o mínimo sentido e o Brasil é o único país que vive situação semelhante, uma vez que os mais renomados cientistas globais acreditam que uma vacina só estará disponível em meados de 2021.

  Segundo o renomado jurista Ives Gandra Martins, nem estado nem a União podem obrigar qualquer pessoa a tomar vacina, caso não queira. "O direito do cidadão é inviolável", disse.

  Mas, liberdade individual é algo que tiranos desconhecem.

  O lobby chinês está no ar, agindo por meio de políticos sem a mínima noção de ética e respeito ao país onde vivem.

   E é muito mais perigoso do que o vírus. Precisamos de coragem e atitude para enfrentá-lo!

   

     

    



   

         

 

     

 

       


   

    

  





EUROPA REGISTRA PROTESTOS CONTRA RESTRIÇÕES À LIBERDADE INDIVIDUAL!


   "Lei marcial chegando, acham que ainda é sobre saúde?" Portando cartazes com frases como esta, milhares de pessoas saíram às ruas de Londres neste sábado (24) para protestar contra as restrições impostas pelo governo para conter a segunda onda de coronavírus.

   As manifestações foram dispersadas por policiais armados em Trafalgar Square,  após uma marcha pelo centro da capital britânica.

   Muitos pediam o fim da "tirania" relacionada ao lockdown, expressando ainda suas opiniões contrárias às vacinas e à pedofilia.

    A trilha sonora do movimento foram os grandes sucessos de Michael Jackson, tocados por um sistema de aplicativo durante a caminhada.

     Muitos se recusaram a usar máscaras e pelo menos dez pessoas foram algemadas e levadas por policiais.

    Outros países europeus, como Itália e Polônia, também tiveram manifestações contra as medidas de isolamento adotadas pelos governos para conter os casos de contaminação pela covid-19.  







HAVERÁ MENOS NASCIMENTOS E MAIS GENTE SOLTEIRA, DIZEM ESPECIALISTAS!


    


Como será o mundo pós covid-19? Alguém espera que tudo voltará a ser como já foi um dia?

As consequências psicológicas da pandemia farão com que as taxas de natalidade caiam e as pessoas fiquem solteiras por mais tempo.

Especialistas dos EUA áreas revisaram 90 estudos para ajudá-los a prever como a covid-19 poderia mudar comportamentos sociais e normas de gênero - mesmo entre aqueles não infectados.

Eles acreditam que a gravidez planejada diminua em resposta à crise global de saúde à medida que as pessoas adiam o casamento e os filhos, fazendo com que a população de algumas nações encolha.

Consequentemente, as quedas nas taxas de natalidade trarão efeitos em cascata à sociedade e à economia, afetando oportunidades de emprego e apoio para as populações idosas.

Além disso, a divisão desigual do trabalho doméstico extra trazido pelo bloqueio pode fazer a desigualdade de gênero aumentar e promover mais conservadorismo social.

Para desenharem essas previsões, os pesquisadores se basearam em seus conhecimentos em ciências comportamentais, economia, biologia evolutiva, medicina e neurociência.

De muitas maneiras, observam, "a pandemia se tornou um experimento social mundial", cujos resultados ainda não terminaram.

A psicóloga Martie Haselton, da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, diz que "as consequências psicológicas e sociais da covid-19 serão muito duradouras.

E acrescenta: "Quanto mais tempo a pandemia durar, mais impactantes serão essas mudanças."

  





AR-CONDICIONADO VIRA PODEROSO ESTERILIZADOR DE AMBIENTE!


   Ter um ambiente esterilizado é o sonho atual de consumo de qualquer um. Pois a alta tecnologia coloca no mercado brasileiro um equipamento que, colocado dentro do seu ar-condicionado split, combate fungos, vírus e bactérias, inclusive a covid-19.

  O mecanismo foi criado pela Meister Safe, empresa que traz soluções customizadas de esterilização por meio de raios UV-C.

  O funcionamento é simples: o equipamento trata o ar que entra no aparelho, devolvendo-o livre de micro-organismos. Testes microbiológicos detectaram redução de até 99,9% de bactérias, leveduras e fungos já na primeira coleta, após 15 minutos.

   Outra vantagem é ter um preço mais acessível uma vez que pode ser adaptado ao ar-condicionado que você já usa em sua casa ou na empresa.

   É ainda seguro: a radiação incidirá apenas no ar que estiver dentro dos aparelhos, garantindo assim uma esterilização segura para o público, inclusive em locais totalmente fechados.

  A tecnologia de esterilização UV-C é mundialmente aceita quando utilizada e aplicada por empresas com respaldo técnico. A Meister Safe conseguiu o aval da Anvisa após conferir que as exigências internacionais estão de acordo com protocolos.

   O sistema estará disponível nos estados de Sãos Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Sergipe e Rio Grande do Sul. E a manutenção preventiva anual deverá ser feita por assistência técnica autorizada pela empresa.

   Mais uma solução criativa para tempos de segurança sanitária!

 



EFEITO COVID: TURISMO TEM PREJUÍZO DE R$ 35,7 BILHÕES NO BRASIL!


   Um dos setores mais prejudicados pelo isolamento social, o turismo teve redução de 33,6% no faturamento real entre janeiro e agosto de 2020, no Brasil. 

   Os dados são do Conselho de Turismo da FecomercioSP. Com base em informações do IBGE, o levantamento mostra que o resultado negativo foi puxado principalmente pelas viagens aéreas (retração de 68,8%) e por serviços de hospedagem e alimentação (43,2%). 

   Neste período, o setor faturou pouco mais de R$ 70,4 bilhões, contra os R$ 106,1 bilhões em receitas neste período em 2019. O prejuízo é de R$ 35,7 bilhões.

    O terceiro pior resultado de faturamento foi o do setor de atividades culturais, esportivas e recreativas, com queda de 33,3% em 2020.

   A única área que se manteve com saldo positivo no ano é a do transporte aquaviário, que registrou alta de 10,7% entre janeiro e agosto. 

   

 
  


   Com a retomada de medidas restritivas nos países mais visitados pelos brasileiros na Europa, como França, Itália e Espanha, há maior potencial para explorar o turismo doméstico, diz a Fecomercio.

  Mas, ressalta ser importante que as operadoras e agências de viagens sejam transparentes com seus clientes, informando sobre operações de restaurantes, comércio, serviços e estrutura médica de cada destino.




REGIÕES DA ITÁLIA, COMO LOMBARDIA E CAMPANA, ADOTAM TOQUE DE RECOLHER!


 
    Os brasileiros amam a Itália e muitos já se planejam para viajar ao país no final do ano, com a reabertura das fronteiras. Mas, a situação de mobilidade volta a se complicar: a Lombardia, na região norte, se prepara para um toque de recolher por três semanas.

  Esta é a medida mais restritiva contra o coronavírus desde que o país saiu do bloqueio nacional, no início da primavera no hemisfério norte.

    O toque de recolher, das 23h às 17h, está previsto para começar na noite desta quinta-feira (22) e deve se estender até 13 de novembro.

    No sábado, a Lombardia ordenou que seus bares fechassem à meia-noite e proibiu o consumo de comida e bebida nas áreas públicas externas. Os restaurantes ficaram praticamente vazios.

   Vale lembrar que a região foi a mais atingida do país durante a primeira onda do vírus nos primeiros meses de 2020.

   A região da Campânia, no sul, anunciou que também adotaria o toque de recolher já neste fim de semana. Isso porque autoridades do centro regional de Nápoles avisaram que a cidade tinha apenas 15 leitos de terapia disponíveis. 

  No Facebook, o prefeito de Milão, Beppe Sala, explicou que o número de 113 pessoas hoje em tratamento intensivo na Lombardia subiria para cerca de 600 até o final de semana, sobrecarregando o sistema, caso novas medidas não fossem impostas. 

   

Para Francesco Bini, chefe do departamento de pneumologia do Hospital Garbagnate, de Milão, a densidade e a atividade comercial da Lombardia estão exacerbando a transmissão do vírus.

 "A Lombardia é uma região muito dinâmica, ativa, com uma grande população, concentrada principalmente nas cidades. Fazer muitas coisas, ver muitas pessoas, ter muito trabalho e reuniões facilitam a propagação do vírus." disse ele à AFP.

  Em outros países do bloco, medidas restritivas também estão sendo adotadas. Portanto, se você não tem um forte motivo para viajar, este não é o melhor momento para ir à Europa.





MORRE VOLUNTÁRIO BRASILEIRO DOS ESTUDOS DA VACINA DE OXFORD!


     Notícia triste: morre voluntário brasileiro que participava dos estudos clínicos da vacina de Oxford. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (21) pela Anvisa.

   Embora não tenham sido revelados detalhes, pesquisadores indicam que ele era médico, tinha 28 anos e morava no Rio de Janeiro.

  Até agora não se sabe se ele tomou a vacina ou o placebo. A Anvisa disse ter sido notificada pela AstraZeneca, que produz a vacina em parceria com a Oxford, na segunda-feira (19). O caso foi divulgado pelo jornal O Globo nesta quarta-feira.

   Segundo a Anvisa, o comitê independente sugeriu o prosseguimento dos estudos. E o caso continua sob avaliação.

   Leia a nota da Anvisa:

   "Em relação ao falecimento do voluntário dos testes da vacina de Oxford, a Anvisa foi formalmente informada desse fato em 19 de outubro de 2020. Foram compartilhados com a Agência os dados referentes à investigação realizada pelo Comitê Internacional de Avaliação de Segurança. É importante ressaltar que, com base nos compromissos de confidencialidade ética previstos no protocolo, as agências reguladoras envolvidas recebem dados parciais referentes à investigação realizada por esse comitê, que sugeriu pelo prosseguimento do estudo. Assim, o processo permanece em avaliação.

  Portanto, a Anvisa reitera que, segundo regulamentos nacionais e internacionais de Boas Práticas Clínicas, os dados sobre voluntários de pesquisas clínicas devem ser mantidos em sigilo, em conformidade com princípios de confidencialidade, dignidade humana e proteção dos participantes.

A Anvisa está comprometida a cumprir esses regulamentos, de forma a assegurar a privacidade dos voluntários e também a confiabilidade do país para a execução de estudos de tamanha relevância.

A Agência cumpriu, cumpre e cumprirá a sua missão institucional de proteger a saúde da população brasileira."