DIANA ESTÁ DE VOLTA!

27.8.13 Simone Galib 0 Comments



POR SIMONE GALIB

O filme Diana, que estreia no próximo dia 5, no Reino Unido e dia 25 de outubro aqui no Brasil, já vem cercado de polêmica –e muita curiosidade. Nem poderia ser diferente. Afinal, tudo o que diz respeito à princesa de Gales sempre foi notícia e mobilizou opiniões mundo afora. Até hoje, a trajetória de Diana continua nítida em nossa lembrança. Suas fotos surgem com frequência em revistas internacionais e diariamente nas mídias sociais –ela é uma das personagens mais postadas no Facebook, especialmente nas páginas de seus filhos, Harry e William e agora até mesmo na de seu neto, o pequeno príncipe George, com direito a milhões de likes. A estrela de Diana continua brilhando!

 Dirigido pelo alemão Oliver Hirschbiegel (de A Queda e As Últimas Horas de Hitler), o filme conta os dois últimos anos na vida de Lady Dy, destacando sua luta pessoal contra as minas terrestres na África, o assédio ininterrupto da imprensa e o romance com o cirurgião Hasnat Khan, de origem paquistanesa, e considerado por aqueles que conviviam com o casal como o grande amor de Diana. Ele é interpretado por Naveen Andrews (sim, o Sayid da série Lost). A história também mostra o momento conturbado em que a princesa rompe com o médico e vai viver um romance com o empresário e playboy milionário egípcio Dody Al Fayed que, aliás, estava com ela quando o carro perdeu o controle e bateu em um túnel de Paris, no dia 31 de agosto de 1997, provocando a morte de ambos. Já são 16 anos sem Lady Di!

  


  "Essa é uma história que precisa ser contada, é uma história importante. Mas foi a coisa mais difícil que já fiz." (Naomi Watts)


Além de revisitar um pequeno trecho da vida de uma mulher que sempre atraiu multidões por seu charme, beleza, carisma e muita atitude, a caracterização da atriz australiana Naomi Watts como Diana dá um toque de classe à trama. Indicada ao Oscar de melhor atriz por sua atuação em 21 Gramas (2004) e O Impossível (2013), Naomi não esconde de ninguém o quanto foi difícil viver Diana no cinema: “Houve muita hesitação da minha parte antes de eu aceitar (o papel)”, disse. “Mas eu também sabia que os melhores papéis vêm com um risco. No final, decidi que não poderia deixar de fazê-lo. Essa é uma história que precisa ser contada, é uma história importante, mas foi a coisa mais difícil que eu já fiz”, afirmou.

   


              "A permissão de Diana me foi concedida."
Recentemente, o tabloide britânico Daily Mail, publicou uma entrevista da atriz em que ela dizia ter recebido uma permissão da princesa morta para assumir seu papel no cinema. “Eu fiquei perguntando a mim ‘será que ela gostaria disso? Então eu me encontrei constantemente pedindo permissão para prosseguir. Eu me informei muito sobre Diana e sua vida, e senti uma enorme responsabilidade em interpretar essa mulher icônica”. Watts disse ainda que chegou a sentir como se estivesse passando bastante tempo com Diana. “Houve um momento específico em que eu senti que a permissão dela foi concedida”, contou.
  Para incendiar ainda mais essa fogueira, o mesmo jornal publicou uma entrevista com o médico Hasnat Khan, que teria sido o grande amor de Diana e virou um dos principais personagens do filme. Ele disse que o filme “errou tudo”. O cirurgião, que nos últimos 16 anos guardou silêncio sobre os detalhes de seu relacionamento com Diana, diz que o filme “é baseado em fofocas”, acrescentando que o roteiro partiu “dos amigos de Diana, que falaram sobre um relacionamento sobre o qual não sabiam muito, e de alguns parentes meus, que também não sabiam muita coisa”.
O fato é que o trailer, com duração de menos de dois minutos, já está circulando com força na internet. A imprensa britânica o considerou “suave demais”. Para o jornal The Guardian, “o trailer apresenta a princesa com uma luz de santidade, idealizada, romântica e pura”. Pelo que vi, a caracterização de Diana por Naomi Watts está na medida certa. E torço sinceramente para que o filme consiga mostrar a essência de uma mulher que tinha personalidade, brilho próprio, muita elegância e que escandalizou a realeza por quebrar protocolos, usando o seu título para fazer alguma coisa em prol de pessoas mais humildes. Diana buscava uma felicidade que não se limitava aos palácios. Ela queria ser o que realmente era: uma mulher inteligente e do bem. Não por acaso virou princesa com direito a um longo reinado, agora reforçado e ainda mais eternizado pelo cinema. Que seja sempre bem-vinda!













0 comentários: