PAIS POSTAM FOTOS DE FILHOS EM SITES DE NAMORO

10.6.15 Simone Galib 0 Comments




   As mães e companheiras provavelmente desconhecem. O fato é que seus filhos (alguns bebês de colo) estão sendo exibidos no Plenty of Fish (que significa abundância de peixes em português), mais conhecido como POF, site de namoro online, que diz ser o maior do mundo, com mais de 3 milhões de usuários ativos. 

 E o que é mais curioso: nessa rede de “pescaria” as fotos são postadas pelos próprios pais em suas páginas de perfil.  Há bebês, crianças de 4, 5, 6 anos, algumas até trocando os dentinhos, e adolescentes – tanto meninas, quanto meninos.
  
 Além do Brasil, o POF informa em sua home page estar presente na França, na Espanha e na Alemanha e é um dos maiores anunciantes da internet (seus anúncios aparecem em portais de notícias, de viagens, aplicativos etc). Em inglês, é encontrado nos sites de busca como POF.com Free Online Dating Service for Singles, mas os brasileiros não conseguem acessar suas plataformas internacionais.Tem uma página no Facebook com cerca de 25 mil seguidores, onde costuma postar casos de pessoas que se conheceram ali e o relacionamento foi adiante.




  Embora no momento do registro, o site de namoro online solicite que na foto de perfil (a principal) a pessoa mostre o seu rosto nitidamente em uma imagem recente e apareça sozinha, a regra é ignorada tanto pelo POF quanto pelos usuários.

 Além de infringirem a lei do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), eles expõem as crianças, visto que a internet é hoje um das ferramentas mais utilizadas pelos pedófilos e também por golpistas de toda espécie. E o que é pior: a atitude parte dos próprios pais...

  É raro encontrar nos perfis ou álbuns de fotos imagens de crianças, justamente por se tratar de sites especializados para namoro, salas discretas de encontros virtuais, que são frequentados por usuários das mais diversas faixas etárias, classes sociais, estado civil, intenções e onde acontece todo tipo de conversas.

 Há pessoas em busca de relacionamento sério, como um namoro e até mesmo um casamento; outras querendo apenas diversão ou companhia virtual; outras ainda procuram encontros casuais e “azaração”, como elas mesmas definem em suas apresentações. 

 Alguns fazem perfis falsos, aparecem com fotos que não são suas e existem também centenas de homens casados em busca de aventura extraconjugal. Enfim, a plataforma é eclética e ali é preciso "surfar" com certo cuidado para evitar problemas.
  

 PAIS&FILHOS


 Ocorre que de uns tempos para cá, começaram a aparecer no POF homens que postam em seus perfis fotos com seus filhos, seja em casa, em festas, no jardim, na praia etc. Alertada por amigos, fui investigar.

 Quando vi um bebê ao lado do pai sorridente em sua foto de perfil, que fica constantemente sendo exibida na galeria para milhares de pessoas, achei que a garotinha, aparentando ter cerca de 4 meses e com uma fitinha vermelha na cabeça, não deveria estar exposta daquele jeito. Pesquisei inúmeros perfis masculinos e também encontrei vários homens com crianças em suas fotos principais.

 Como o perfil do pai da bebê foi acessado para observar melhor a foto (o site mostra ao usuário quem o visitou), ele, identificado ali com o nome de Pedro, mandou uma mensagem, por achar que estava interessada em conhecê-lo.

  No meio da conversa, perguntei por que estava exibindo a sua filha ainda bebê naquele site e se sabia que a internet é um dos principais campos de ação de pedófilos. Respondeu que a sua página era visitada apenas por mulheres e que, por isso, não tinha problema algum.

 Em regra geral, as mulheres veem em suas galerias apenas os homens e os homens somente as mulheres. Mas, há maneiras de entrar no site visualizando os perfis de ambos os sexos. Também foi dito isso a Pedro. Surpreso pela abordagem, ele achou que estava trocando mensagens com um homem e me bloqueou – uma forma de não ter mais acesso ao seu perfil.
  
 Como dentro do site há um recurso para denunciar abusos ou qualquer situação que não esteja dentro das regras de conduta virtual, usei a ferramenta para comunicar que havia um bebê no perfil de um usuário e que muitos homens, na faixa dos 30 aos 50 anos, estavam aparecendo em suas páginas de paquera com crianças nas fotos.

  Não houve nenhuma resposta, nem sequer um daqueles emails automáticos, dizendo que o suporte iria averiguar o assunto. Localizei o endereço eletrônico da assessoria de imprensa do POF e passei um email detalhado e em inglês.

 Disse que o assunto seria abordado em uma reportagem e que era fundamental ter uma posição do site sobre a questão. Deixei todos os meus contatos. Também não houve resposta.



 Após anos de muito debate, chegou-se ao consenso de que a infância e a adolescência devem ser protegidas das diferentes formas de violência. Partindo dessa premissa, a legislação traz vários instrumentos que designam os direitos a crianças e adolescentes. O primeiro é a própria Constituição do país, de 1988, determinando que haja "prioridade absoluta" na proteção da infância e na garantia de seus direitos, não só por parte do Estado, mas também da família e da sociedade.

 O artigo 100 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) é claro no que diz respeito à privacidade: "A promoção dos direitos e proteção da criança e do adolescente deve ser efetuada no respeito pela intimidade, direito à imagem e reserva da sua vida privada. Portanto, elas não podem ser expostas. 

  A pergunta que não quer calar é: o que estaria levando os homens a terem esse comportamento nos sites de namoro, mostrando seus filhos ou sobrinhos, os lugares onde vivem e frequentam? Seria uma necessidade de mostrarem às mulheres com as quais interagem ou vão interagir que são homens de família, pais amorosos etc, para causar boa impressão?

 Depois, como vão poder culpar o Estado, a internet, as mídias sociais, a sociedade ou os pedófilos e afins, caso aconteçam problemas ou assédios (há centenas de casos ocorrendo na internet diariamente) se são eles mesmos que expõem seus próprios filhos?

  Esses e outros temas serão sempre abordados neste blog, porque acompanhei uma ampla pesquisa. feita por psicólogos, nos últimos cinco anos. O objetivo não é julgar, dar lições de moral ou expor as pessoas, mas mostrar como funcionam os relacionamentos no universo virtual.

  Foram pesquisados sites do mundo inteiro.
  O resultado?
  Muita história para contar...

0 comentários: