MADAGASCAR: UMA FLORESTA CONSUMIDA PELO FOGO!

7.9.19 Simone Galib 0 Comments


          Enquanto todos os holofotes do mundo estavam sobre a Amazônia, com celebridades postando fotos fake das queimadas e notícias alarmistas, os agricultores de corte causam destruição pior em Madagascar, perto da costa sudeste da África.

      Só que o assunto não ganhou importância política, muito menos ofertas de ajuda emergencial por parte dos países mais ricos ou proposta de "internacionalização", como sugere o presidente da França, Emmanuel Macron, na Amazônia.
       
   
O lêmure de Madagascar: espécie única
         O país africano tem milhares de espécies e animais que só existem lá – muitos deles, correndo risco de extinção, como o lêmure, o menor primata do mundo. Ele pesa apenas 35 gramas e tem os olhos esbugalhados.
      
 
        Desolados com a situação, ambientalistas aguardavam a chegada do Papa Francisco, o que aconteceu nesta sexta-feira (6), para que ele conscientizasse as pessoas sobre a importância de conservar a floresta. O papa, como o restante do mundo, parece estar mais interessado na Amazônia brasileira.
      
 
                                                                                    FOTOS REPRODUÇÃO
        Em Madagascar, grande parte da cobertura florestal foi perdida nas décadas passadas por desmatamento para as pastagens que, nesta época do ano, são queimadas para preparar o solo aos agricultores. Ambientalistas locais dizem que a floresta pode ser completamente destruída em três anos.
      
      Com mais de 80% de sua espécie nativa, Madagascar tem mais plantas e animais do que o resto da África junto. Além dos incêndios provocados pelos agricultores, a ilha enfrenta tempestades poderosas e secas prolongadas causadas pelas mudanças climáticas.
      
      Uma das áreas mais prejudicadas é a floresta Kirindy, no oeste. Dados de satélite mostram que ela perdeu 4% de sua área nos últimos dois anos. O exôdo de milhares de agricultores para lá começou em 2016, quando uma colheita no sul foi perdida, acelerando a destruição da floresta.
        
       Hoje, o que podemos ver são casas de madeira em meio a uma paisagem árida. Os solos estão desgastados após três colheitas de milho e amendoim, que levaram agricultores para a floresta. E há muitos tocos de árvore pelo caminho.
       
       Uma reportagem feita pela agência Reuters diz que empresários ligados a políticos locais pagam cerca de US$ 13,40 por cada hectare de floresta derrubada.

       É um trabalho pesado, mas não faltam trabalhadores em um país onde 90% das pessoas sobrevivem com menos de US $ 2 por dia.
      
OUTRAS REGIÕES
        Não é apenas Madagascar que sofre os efeitos das queimadas no continente africano. Uma imagem divulgada pela NASA mostrou que na África Central havia mais incêndios do que no Brasil.
        Somente em Angola e no sul da República Democrática do Congo foram registrados 10 mil focos de fogo ativo contra os 2.127 no território brasileiro.
      
       Mas, exceto ambientalistas locais, quem está preocupado com a destruição das florestas africanas? Será que o Papa Francisco vai também se posicionar sobre isso, a exemplo do que faz com a Amazônia?

                   

0 comentários: