OXFORD DEFENDE VACINAÇÃO DE EMERGÊNCIA A MÉDICOS ATÉ O NATAL NO REINO UNIDO!

26.10.20 Simone Galib 0 Comments


  A pressa em vacinar a população toma conta do mundo: no Reino Unido, médicos e pacientes de alto risco deverão ser imunizados com a vacina de Oxford antes do final do ano.

   A informação é de Adrian Hill, professor e fundador do Instituto Zenner da Oxford, que comanda o projeto em parceria com a AstraZeneca, informa o jornal Daily Mail.

  Ele disse que a "aprovação de emergência" permitiria aos mais necessitados receber a dose, enquanto os testes finais ainda estão em andamento. 

  Na sequência, viria a autorização geral para que o restante da população recebesse a vacina, a partir do início de 2021.

  Ele admitiu, no entanto, que o tempo estava apertado para iniciar a vacinação antes do Natal, mas insistiu que isso é realmente o possível, diz o jornal britânico.

  

"Bilhões de doses já estão sendo produzidos em dez fábricas em todo o mundo por um consórcio liderado pela farmacêutica AstraZeneca", afirmou.

  Segundo ele, o Reino Unido chegará "ao estágio em que haverá imunidade coletiva por meio da vacinação".

  Isso porque duas fases de testes clínicos bem-sucedidos mostraram que a vacina Oxford é segura e desencadeia uma forte resposta imunológica.

  Os testes da fase três estão agora em estágio avançado.

  O Instituto Jenner está realizando testes em nove locais na Grã-Bretanha, com 10 mil voluntários; no Brasil e na África do Sul. Outros são feitos por seus parceiros na Índia e nos Estados Unidos.

  
  A próxima fase crítica do processo será a 'revelação' dos resultados do ensaio, trazendo dados dos participantes que receberam a injeção em comparação com o grupo do placebo.

  Até então, nem os participantes nem os próprios pesquisadores dos ensaios sabem quem recebeu a vacina ou o placebo - um processo conhecido como “duplo cego”.

  Na semana passada, um médico brasileiro voluntário, que participava dos testes morreu, aos 28 anos, vítima de coronavírus. E não há ainda nenhuma informação oficial sobre o assunto.











0 comentários: