DOCUMENTOS VAZADOS MOSTRAM O QUE A CHINA OCULTOU NO INÍCIO DA PANDEMIA!

1.12.20 Simone Galib 0 Comments


   Arquivos inéditos, vazados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças na província de Hubei, na China - onde o novo coronavírus foi detectado pela primeira vez em 2019 -, mostram evidências de erros claros e apontam para um padrão de falhas institucionais, diz a CNN.

   A emissora americana teve acesso aos documentos, um calhamaço de 117 páginas com revelações sobre o início da pandemia.

   Eles mostram que as autoridades chinesas deram ao mundo dados mais otimistas do que realmente eram e subnotificaram o número de casos.

   A China levou em média 23 dias para diagnosticar os pacientes confirmados e as falhas nos testes significaram que a maioria das pessoas recebeu resultados negativos até 10 de janeiro.

  Evidências de falta de financiamento, de pessoal e modelos burocráticos de governo atrapalharam o sistema de alerta precoce da China, relatam as auditorias internas.

   Segundo a CNN, um grande surto de gripe (não divulgado anteriormente) aconteceu no início de dezembro de 2019 em Hubei.

   Isso fez com que os casos aumentassem para 20 vezes o nível registrado no ano anterior, mostram os documentos, o que adicionou níveis enormes de estresse em um sistema de saúde já sobrecarregado.

  A "epidemia" de gripe, como as autoridades observaram no documento, não só estava presente em Wuhan em dezembro, mas foi maior nas cidades vizinhas de Yichang e Xianning.

  Ainda não está claro qual impacto ou conexão o pico de influenza teve no surto de covid-19.

  A China rejeitou veementemente as acusações feitas pelos Estados Unidos e outros governos ocidentais de que teria ocultado deliberadamente informações relacionadas ao vírus.

  Embora os documentos não forneçam evidências de uma tentativa deliberada de obscurecer as descobertas, eles revelam várias inconsistências no que as autoridades acreditam estar acontecendo e no que foi revelado ao público.

  O fato é que esses documentos representam o vazamento mais significativo de dentro da China desde o início da pandemia e "fornecem a primeira janela clara sobre o que as autoridades locais sabiam internamente e quando", relata a CNN.

  Informações de outubro de 2019 e abril deste ano revelam o que parece ser um sistema de saúde inflexível, restringido pela burocracia de cima para baixo e procedimentos rígidos.

  Mostram ainda que o sistema de saúde chinês estava mal equipado para lidar com a crise emergente. Em vários momentos críticos na fase inicial da pandemia, há evidências de erros claros e que apontam para um padrão de falhas institucionais.

  Um dos pontos de dados mais impressionantes diz respeito à lentidão com que os pacientes locais Covid-19 foram diagnosticados.

  Mesmo quando as autoridades em Hubei apresentaram ao público como lidaram com o surto inicial com eficiência e transparência, os documentos dizem que as autoridades locais de saúde dependiam de testes falhos e mecanismos de notificação.

  Um relatório nos documentos do início de março diz que o tempo médio entre o início dos sintomas e o diagnóstico confirmado foi de 23,3 dias.

  Para os especialistas ouvidos pela CNN, essa demora teria dificultado significativamente as medidas para monitorar e combater a doença.

"Ficou claro que eles cometeram erros - e não apenas erros que acontecem quando você está lidando com um vírus novo -, mas também erros burocráticos e politicamente motivados", disse Yanzhong Huang, pesquisador sênior da Global saúde no Conselho de Relações Exteriores, que escreveu extensivamente sobre saúde pública na China.
       Ele acrescenta:

   "Isso teve consequências globais. Você nunca pode garantir 100% de transparência. Não se trata apenas de qualquer encobrimento intencional, você também é limitado pela tecnologia e outros problemas com um vírus novo."
    A CNN entrou em contato com o Ministério das Relações Exteriores da China e a Comissão Nacional de Saúde, bem como a Comissão de Saúde de Hubei, que supervisiona o CDC provincial, para comentar as revelações, mas não obteve resposta.

 

 

0 comentários: