55 PESSOAS MORREM APÓS SEREM VACINADAS NOS ESTADOS UNIDOS!

17.1.21 Simone Galib 0 Comments

    Diante de doenças e vacinas novas, elaboradas com muita rapidez, todo cuidado é pouco: 55 pessoas morreram nos Estados Unidos após receberem as vacinas contra o coronavírus da Moderna e da Pfrizer-BioNTech.

   Esses óbitos estão registrados no Vaccine Adverse Event Reporting System (VAERS), um banco de dados federal, informa o jornal The Epoch Times.

  Em alguns casos, pacientes faleceram poucos dias após serem vacinados.

  Os relatórios VAERS podem ser preenchidos por qualquer pessoa, incluindo profissionais de saúde, pacientes ou familiares. "Muitas vezes carecem de detalhes ou podem conter informações erradas", diz o site oficial.

  Mesmo assim, os relatórios representam "apenas uma pequena fração dos eventos adversos reais", diz o site, embora considere que a subnotificação seja menos comum para eventos graves.

    Além dos óbitos, as pessoas relataram 96 eventos com risco de vida após as vacinações, bem como 24 incapacidades permanentes, 225 hospitalizações e 1.388 visitas ao pronto-socorro.

   O FDA (Food and Drug Administration) disse ao jornal que "quaisquer relatos de morte após administração de vacinas são imediata e rigorosamente investigados" pelo FDA junto com os centros para controle e prevenção de doenças.

  Uma porta-voz do FDA lembrou que "geralmente não é possível descobrir a partir de dados VAERS se uma vacina causou um evento adverso.

  O órgão regulador americano ressalta que ambas "são vacinas seguras e eficazes" e que dispõe de dados para demonstrar isso.


CASO ESTRANHO

  Gregory Michael, um médico de 56 anos que trabalhava no Mount Sinai Medical Center, em Miami, foi imunizado em 18 de dezembro de 2020. Ele morreu 16 dias depois, relata o Epoch Times.

  A mulher dele, Heide Neckelmann, escreveu em sua página do Facebook que o marido era 'muito saudável' antes de ser vacinado.

  Foi internado em uma UTI com diagnóstico de púrpura trombocitopênica idiopática aguda, um distúrbio do sangue causado por uma reação à vacina. E veio a óbito.

  "Ele era um defensor da vacina. Acredito que as pessoas devam estar cientes de que efeitos colaterais podem acontecer, que ela não é boa para todos. Neste caso destruiu uma vida linda, uma família perfeita. Não deixe sua morte ser em vão; por favor, salve mais vidas tornando essa informação notícia".


  Em comunicado, a Pfizer disse que não há evidência mostrando uma ligação entre essa morte e sua vacina. Mas, informou estar investigando profundamente o caso.

  Ninguém é contra vacinas, mas precisamos estar alertas a um medicamento ainda novo para a própria ciência.

  Isso vale especialmente para o Brasil, onde a doença tem sido desde o início politizada. E muitos que se mostram cautelosos são chamados de negacionistas.

  Não é bem assim!










 




0 comentários: