CIENTISTAS INTERNACIONAIS QUESTIONAM EFICÁCIA DA VACINA CHINESA FABRICADA PELA SINOPHARM!

5.1.21 Simone Galib 0 Comments

     Especialistas internacionais estão céticos quanto à eficácia da vacina chinesa produzida pela estatal Sinopharm, que foi aprovada no último dia de 2020 pelo órgão regulador do país.

     Esse ceticismo tem a ver com a falta de dados clínicos sobre a vacina contra o coronavírus fabricada pelo país onde o primeiro surto foi registrado.

    Ao contrário dos outros laboratórios, como Pfizer e Moderna, a Sinopharm não divulgou nenhum detalhamento de seus ensaios clínicos e nem mesmo o tamanho de sua amostra de teste.

   A única informação até agora divulgada pela mídia estatal chinesa é que a vacina tem 79,34% de eficácia, contra a taxa de 95% da Pfizer e de 94% da Moderna.

   O principal argumento dos cientistas internacionais é que faltam dados de apoio para que possam avaliar a eficácia e a segurança da vacina.

   O médico Sean Lin, ex-pesquisador de virologia do Instituto de Pesquisa do Exército dos EUA, disse ao jornal Epoch Times ser improvável que a empresa tenha concluído seus testes de fase três, que devem ser feitos em grandes grupos de pessoas, tão rapidamente.

  A Sinopharm disse que começou os testes no início de 2020 e que os ensaios clínicos foram feitos em países estrangeiros.

  Para o médico americano, "por causa das diferenças de raça e etnia, seu sistema imunológico pode ser um pouco diferente do povo chinês".

VACINAÇÃO EM MASSA

   Ao que tudo indica, os critérios adotados pelo Ocidente são bem diferentes para o país asiático.

   A China, que está desenvolvendo cinco vacinas, realizou imunização em massa mesmo sem aprovação das mesmas pelo órgão regulador, informou o New York Times no final de 2020.


Link relacionado

http://www.simonegalib.com.br/2020/12/china-inicia-vacinacao-sem-resultado-de.html


 A informação foi confirmada por Zeng Yixin, vice-diretor da Comissão Nacional de Saúde da China.

 Segundo ele, "de junho até o final de novembro, as vacinas foram aplicadas em mais de 1,5 milhão de pessoas, incluindo aproximadamente 60 mil trabalhadores chineses que foram enviados para trabalhar em áreas de alto risco no exterior.” 

   Disse ainda que não houve relato de infecções graves. Mas, segundo a mídia, centenas de trabalhadores chineses que foram trabalhar na Sérvia, Angola e Uganda acabaram infectados pela covid-19 após tomarem as vacinas chinesas.

  O médico Sean Lin disse ser uma atitude "irresponsável" as autoridades aplicarem a vacina em milhões de pessoas sem dados durante o estágio inicial de desenvolvimento das mesmas.

   Além da falta de estudos detalhados, a descrença da ciência internacional também é decorrente do histórico de corrupção e escândalos de saúde envolvendo as vacinas chinesas ao longo dos últimos anos.











0 comentários: