CHINA CANCELA A EMISSORA BBC DO PAÍS SOB ACUSAÇÃO DE FAKE NEWS!

11.2.21 Simone Galib 0 Comments

 
    
A política do cancelamento chega aos grandes: a China baniu a BBC Word News de sua grade, acusando-a de fake news e de "violar gravemente os regulamentos de transmissão", prejudicando os interesses do país.

  Segundo o Daily News, Pequim já havia acusado a emissora pública britânica de notícias falsas sobre o coronavírus e na cobertura dos muçulmanos uigur em Xinjiang.

   A reação chinesa era esperada. Isso porque na semana passada o regulador britânico Ofcom retirou a licença de transmissão do canal de TV estatal China Global Television Network (CGTV) pelas suas ligações com o governo comunista chinês.

   É que orgão descobriu, em 2020, que a CGTN havia violado o código de transmissão ao não preservar a devida imparcialidade em sua cobertura dos protestos pró-democracia em Hong Kong. 

   O ministro britânico das Relações Exteriores, Dominic Raab, disse que a decisão de proibir a BBC Word News na China continental é uma "restrição inaceitável da liberdade de mídia".

  

 "A China tem algumas das restrições mais severas à liberdade de mídia e de internet em todo o mundo, e esta última medida só prejudicará a sua reputação aos olhos do mundo."

  Os aliados da Grã-Bretanha em Washington apoiaram as declarações do ministro ao reprovar a medida de Pequim.

  "Condenamos totalmente a decisão proibir a BBC World News", disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price.

 "Apelamos à China e a outras nações com controle autoritário sobre sua população para permitir seu pleno acesso à internet e à liberdade de mídia.'

  A BBC respondeu que "mantemos nosso relato preciso e justo dos eventos na China e rejeitamos totalmente essas acusações infundadas de notícias falsas ou preconceito ideológico. 

  E acrescentou que a BBC é a emissora internacional de notícias mais confiável do mundo, com audiência global de mais de 400 milhões de pessoas semanalmente, sem medo ou favorecimento e de acordo com nossos padrões editoriais.





0 comentários: