LABORATÓRIO DA OXFORD SOFRE ATAQUE HACKER; CRIMINOSOS FALAVAM PORTUGUÊS!

25.2.21 Simone Galib 0 Comments

    A Universidade de Oxford, na Inglaterra, confirmou nesta quinta-feira (25) que sofreu um ataque hacker na Divisão de Biologia Estrutural, informa a revista Forbes.

   A  publicação já havia revelado anteriormente que cibercriminosos  estavam exibindo acesso a vários sistemas, incluindo máquinas usadas para preparar amostras bioquímicas.

   A universidade acionou o National Cyber Security Center, filial da agência de inteligência britânica ( a GCHQ), que investiga o ataque.

  "Não houve impacto em nenhuma pesquisa clínica, pois esta não é feita no setor afetado", disse um porta-voz da Oxford. E acrescentou que os sistemas afetados não tinham dados de pacientes. 

  Na reportagem, a Forbes conta ter sido alertada sobre a invasão por uma empresa de cybersegurança, que forneceu capturas de tela do acesso dos hackers aos sistemas da Universidade de Oxford, uma das pioneiras em pesquisas sobre o coronavírus.

  As interfaces obtidas pela revista demonstravam ser um possível equipamento de laboratório, com a capacidade de controlar bombas e pressão. Também apontavam que a violação continuou até recentemente.

  A Oxford confirmou que as máquinas hackeadas foram usadas para purificar e preparar amostrar bioquímicas, como proteínas criadas em laboratório para pesquisas. Essas amostras foram usadas nos estudos do coronavírus no laboratório.

  Assim, o ataque hacker preocupa. Uma violação desse tipo pode colocar os dados de pesquisas sob o risco de serem roubados, incluindo as da covid-19.

  Outra ameaça seria a sabotagem da pesquisa, caso os hackers tenham capacidade de mexer no fluxo de líquidos ou em outros aspectos da tecnologia de purificação.

   Para o o professor Alan Woodward, especialista em segurança cibernética da Universidade de Surrey, pelo atual interesse em estruturas moleculares na pesquisa da Covid, pode-se especular que era alguém procurando dados sobre o vírus ou a vacina, e não para sabotar pesquisas.

 FALANDO EM PORTUGUÊS

   A Hold Security, empresa que alertou a Forbes, disse ter percebido que os hackers falavam português. Algumas das outras vítimas do grupo incluem universidades brasileiras e eles também usam ransomware para extorquir algumas delas.   

  Embora não estejam diretamente envolvidos no desenvolvimento da vacina Oxford-AstraZeneca, que é o domínio do Oxford Vaccine Group e Jenner Institute, os cientistas do laboratório atacado estão investigando como as células da covid-19 funcionam e como impedir que causem danos. Isso inclui potenciais estudos para vacinas futuras. 

   A Interpol alertou em 2020 que o crime organizado provavelmente teria como alvo os envolvidos nas pesquisas e no desenvolvimento de vacinas da covid-19.

  O caso na Universidade de Oxford pode ser o primeiro exemplo significativo de tal ataque.

  “Estamos trabalhando para compreender totalmente o impacto na Universidade de Oxford, disse um porta-voz da inteligência britânica.




0 comentários: