CALIFÓRNIA CRIA SINDICATO CONTRA VACINAÇÃO DE COVID EM CRIANÇAS

16.11.21 Simone Galib 0 Comments

     Moradores da Califórnia estão preocupados com a vacinação obrigatória em crianças menores de 18 anos. Por isso, eles se uniram e criaram um sindicato, batizado de Projeto Unity.

   Esse projeto reúne pais preocupados, líderes empresariais, professores e outros profissionais de todo o estado, governado pelo democrata Gavin Newsom.

  

“O mandato de vacinação forçada vai contra a ampla base de evidências científicas em torno do risco/benefício desta vacina para crianças saudáveis ​​de 18 anos ou menos, além de desafiar o bom senso e os direitos fundamentais dos pais”, diz Laura Sextro, diretora executiva do sindicato.

   A Califórnia foi o primeiro estado americano a tornar obrigatória a vacina da covid-19 para escolas de ensino fundamental e médio, em outubro, apesar de ainda estar pendente a autorização pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC).

  No início de novembro, o governador também anunciou um novo programa de vacinação para crianças de 5 a 11 anos. A medida foi informada no dia seguinte à aprovação pelo CDC da vacina Pfizer para essa faixa etária.

  “Forçar crianças de 5 anos a se tornarem efetivamente escudos humanos, assumindo o risco de lesão por vacina apesar de ter risco estatisticamente zero de contrair o vírus, apenas para que adultos com comorbidades possam se sentir mais seguros... Em nenhum momento da história colocamos crianças em risco para proteger os adultos ”, argumenta o sindicato.

   O plano de vacinação obrigatória e, principalmente a infantil, vem causando manifestações em todo o estado desde o início do mês.

  Na semana passada, centenas de pessoas fizeram um protesto na Golden Gate, cartão-postal de San Francisco, 

   Mas, há também quem aprove a decisão, como a University of California Health, para crianças.

  “A vacinação para cerca de 28 milhões de crianças de 5 a 11 anos em todo o país é um passo significativo na luta contra a pandemia”, disse a universidade em comunicado.

0 comentários: