ANVISA SUGERE INTERRUPÇÃO DOS CRUZEIROS NA COSTA BRASILEIRA!

1.1.22 Simone Galib 0 Comments

    
      Atualização em 02/01/22  
  
  Ano novo, polêmica nova: a Anvisa recomendou a suspensão provisória da temporada de cruzeiros no Brasil, depois que dois navios registraram vários casos de covid-19 a bordo e tiveram que retornar aos portos. Um terceiro navio está sendo investigado.

  O MSC Preziosa, que chegou neste domingo (02) ao Rio, registra 20 casos de infecções a bordo.   

 A Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (CLIA) não gostou  da recomendação e divulgou uma nota afirmando que o setor tem protocolos sanitários rígidos para evitar infecções, entre eles o teste diário em mais de 10% da tripulação e dos passageiros.

  Mas, a Anvisa justifica a recomendação pelo "aumento repentino de casos de infecção detectado nas embarcações que operam cruzeiros marítimos ao longo da costa brasileira". 

 A agência citou os dados epidemiológicos globais, especialmente da transmissão da variante Ômicron no Brasil.

  Segundo último boletim, o país registrou 128 casos da nova cepa e cerca de 300 estão sendo investigados.  

  Para os empresários do setor, os mais de 300 casos identificados até o momento representam 0,2% das 130 mil pessoas embarcadas (tripulantes e passageiros) desde o início da temporada, há dois meses. 

Link relacionado   

No dia 31 de dezembro, dois navios interromperam as viagens devido ao surto de covid a bordo.

  O navio da MSC retornou ao Porto de Santos e o Costa Diadema, que tinha como destino final Ilhéus, ficou atracado em Salvador. Em ambos, tripulantes e passageiros testaram positivo.

  A Costa Crociére informou que já suspendeu os embarques entre os dias 3 e 10 de janeiro, em Santos, e nos dias 6 e 13, em Salvador. como uma "medida de responsabilidade e em respeito às exigências da Anvisa". 

   Neste sábado (01), começaram a desembarcar em Santos passageiros que testaram positivo nos cruzeiros.

  O Ministério da Saúde disse que está estudando os casos e deve se posicionar sobre as medidas que serão tomadas. 

  





0 comentários: