TAILÂNDIA PAGA MAIS DE US$ 45 MILHÕES EM INDENIZAÇÕES POR EFEITOS ADVERSOS DA VACINA!

15.3.22 Simone Galib 0 Comments

   As autoridades de saúde da Tailândia pagaram US$ 45,65 milhões na semana passada para liquidar reivindicações de cidadãos por danos causados pelas vacinas contra a covid-19. 

  Esse dinheiro foi para as contas de 12.714 pessoas, incluindo familiares de vítimas fatais da vacina.

  Mas, há ainda 891 reivindicações pendentes das 15.933 reclamações protocoladas desde o início do programa, em 19 de maio de 2021, informa o site The Defender.

  As vacinas oferecidas na Tailândia são principalmente a AstraZeneca e a chinesa Sinovac - ambas produzidas também no Brasil.

    Esse processo indenizatório é classificado no país como um "programa de compensação sem culpa". 

  Foi implementado por um pool de diversos setores, que incluem autoridades de saúde pública, seguradoras privadas, fabricantes e outras partes interessadas em compensar indivíduos prejudicados por vacinas.

  Ele permite a uma pessoa que sofreu qualquer lesão seja compensada financeiramente, sem que atribua culpa ou erro a um fabricante ou indivíduo específico.

  Há três tipos de pagamentos: para morte ou invalidez permanente cada família recebe US$ 11.928. 

  Para os que sofreram uma lesão que tenha afetado o seu sustento ou que perderam um membro, o valor é de US$ 7.157. 

  Já para outras lesões ou doenças sofridas em consequência da vacina, é pago o valor máximo de US$ 2.982. 

  As reclamações podem ser feitas até dois anos após o início dos efeitos adversos.

  O pagamento costuma ser rápido. Segundo o Bankok Post, autoridades se reúnem semanalmente para discutir os pedidos de indenização. Os aprovados são pagos em cinco dias. Há também recursos de apelação para os rejeitados.

  As autoridades tailandesas não especificam o número de pedidos concedidos por mortes, ferimentos graves, deficiências etc.

  O curioso é que o fundo indenizatório para lesões foi criado quase que simultaneamente ao início da vacinação em massa, o que dá a entender que já se precaviam contra os efeitos adversos. 










0 comentários: